MAID: série retrata a importância da rede de apoio

MAID: série retrata a importância da rede de apoio

 Assistir à série Maid pode ser uma  experiência totalmente diferente para quem é mãe e para quem não é, porém, recomendo a todos

Já no primeiro episódio, a série me fez chorar e a me colocar no lugar da mãe Alex (Margaret Qualley).  Após sofrer diversas agressões psicológicas (que ela mesma nem identifica de princípio, e o que é bem comum), resolve sair de casa e, a partir disso, passa por diversos perrengues com a filha Maddy, de quase 3 anos.

Rede de apoio

Diversos assuntos são tratados nessa série, como: relacionamento abusivo, alcoolismo, traumas familiares, quebra de ciclos e vários outros assuntos de extrema importância em todo o mundo, mas quero dar destaque para a importância da rede de apoio. A cada episódio,  eu ficava inconformada e com a sensação que ela não podia contar com ninguém da família. Essa situação  chega a ser desesperadora.

Isso me levou a refletir sobre o provérbio africano: “É preciso uma aldeia para se educar uma criança”. Ninguém se desenvolve somente a partir dos valores do núcleo  familiar, todos que estão a sua volta interferem nesse desenvolvimento, seja direta ou indiretamente. Por isso, quanto antes a comunidade entender sobre a importância do impacto e da responsabilidade de cada um nisso, melhor será. Todos só têm a ganhar!

Ah, mas como posso ser uma rede de apoio?

Seja uma rede de apoio para as mães que estão a sua volta. Qualquer pessoa pode ajudar e, acredite, você não estará  se intrometendo  indevidamente ou algo assim.  Se você tiver uma dose de bom senso e respeito, saberá o que fazer. Para começar,  evite visitar uma mãe no pós-parto. Nem sempre é isso que ela quer, a não ser que ela faça questão ou esteja precisando de alguma ajuda.

Caso resolva fazer a visita, não dê trabalho a ela.  Uma boa sugestão é levar ou fazer uma comida gostosa para vocês.  Escute mais e fale menos.  Às vezes, a mãe só quer desabafar e/ou dormir um pouco, sem interrupções. Aliás,  isso é algo raro após a chegada do bebê. Se a família não quiser visitas, ofereça apoio a distância.

Você que é mãe, não tenha vergonha de aceitar ajuda. Se permita ser ajudada e dê espaço para quem oferece auxílio. Aproveite a oportunidade e faça novas amizades, principalmente com outras mães que vivem o mesmo momento e que tem as mesmas afinidades que você. Acredito que quem é mãe, entende bem o porquê da série ser um sucesso, pois, algumas vezes, a gente se vê no papel da Alex.

Não é difícil uma mãe se identificar e se ver em algumas cenas. Afinal, nos enxergamos nela na correria do dia a dia, na busca por algo melhor e na força que um filho nos dá para enfrentarmos tantos desafios. O aspirador que a Alex carrega para cima e para baixo – sua principal ferramenta de trabalho e sustento –  também é um peso a ser carregado, assim como a maternidade.

Clausilene Lima

Clausilene, mãe da Íris e cinéfila é Coordenadora de Canais Digitais na EdiCase e trabalha na área há mais de 9 anos. Pós-graduada em Gestão da Comunicação em Mídias Digitais, descobriu no curso de graduação em Produção Multimídia, outra forma de assistir a filmes e séries, onde a história não é contada somente através dos diálogos e cenas, mas também, através da semiótica. Você pode encontrá-la também no Instagram, aonde compartilha seu dia a dia @clausilene

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *