Entenda por que deixar o feijão de molho antes de prepará-lo

Entenda por que deixar o feijão de molho antes de prepará-lo
Modo de preparo do feijão interfere na qualidade de absorção dos nutrientes do alimento (Imagem: SerPhoto | Shutterstock)

O feijão é um alimento extremamente nutritivo e amplamente consumido em diversas culturas. No entanto, para algumas pessoas, sua ingestão pode ser acompanhada de desconfortos gastrointestinais. Segundo um estudo conduzido pelo Centro de Pesquisa em Alimentos da Universidade de São Paulo (USP), a explicação para esse fenômeno pode estar no preparo do alimento.

Em colaboração com a Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), a instituição descobriu que é crucial deixar o feijão de molho por um período entre 8 e 12 horas e, em seguida, descartar a água do remolho. O estudo demonstrou que, ao deixá-lo de molho por esse tempo, substâncias como rafinose e esteatose, são eliminadas, reduzindo desconfortos e gases após o consumo do alimento.

Efeito das substâncias do feijão no corpo

Conforme a médica Lorena Balestra, pós-graduada em nutrologia e endocrinologia, essas substâncias, presentes naturalmente no grão, dificultam a absorção de proteínas e minerais essenciais, como o ferro, pelo organismo. “Além disso, o feijão contém fitatos e taninos, que podem afetar a biodisponibilidade de minerais importantes, como zinco, cálcio e magnésio. Os fitatos têm a capacidade de se ligar a esses minerais e formar complexos insolúveis, prejudicando sua absorção. Por outro lado, os taninos conferem um sabor amargo ao feijão e podem causar desconfortos gástricos”, explica.

Receba as novidades sobre Saúde e Bem-estar, Astrologia, Beleza, Culinária e muito mais!

Feijão de molho na água em recipiente de vidro
Deixar o feijão de molho mantém o valor nutricional do grão (Imagem: Panya_Anakotmankong | Shutterstock)

Reduzindo o desconforto causado pelo feijão

Para contornar os efeitos negativos do feijão, a médica explica que é preciso deixar o grão de molho, pois isso ajuda a manter o valor nutricional do alimento e melhora a absorção dos nutrientes. No entanto, para aqueles que ainda enfrentam desconfortos após o consumo, mesmo depois do processo de molho, pode ser indicado verificar a possibilidade de intolerância à rafinose. “Em casos recorrentes, é aconselhável o uso de uma enzima específica, como a alfa-galactosidase (Digeliv), que auxilia na digestão desses carboidratos”, acrescenta a médica. 

Por Tayanne Silva

Redação EdiCase

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.