5 dicas do que não fazer em um intercâmbio

5 dicas do que não fazer em um intercâmbio
Intercâmbio contribui para a vida pessoal e profissional (Imagem: Adobe Stock)

A experiência do intercâmbio é transformadora, acrescenta tanto na sua vida pessoal quanto na profissional, isso todos nós já estamos cansados de ouvir. Mas como vivê-la da melhor maneira possível? Não existe uma fórmula perfeita. Por isso, Arleth Bandera, CEO da Eagle Intercâmbio Cultural, elenca 5 dicas do que não fazer durante a sua viagem, para que você consiga chegar o mais próximo possível do seu objetivo inicial.

“Essa experiência pode ser uma das melhores que alguém pode ter, conhecer um novo país, seus costumes e sua cultura. O aprendizado vai muito além do que apenas o de um novo idioma. Lá, aprendemos a lidar com a saudade de casa, família e a gerenciar os próprios gastos. Mas é bom ficar alerta, para se ter uma imersão total é interessante evitar algumas coisas”, pontua Arleth Bandera.

1. Falar seu idioma nativo

Segundo Arleth Bandera, falar o nosso idioma nativo em um país estrangeiro é muito confortável, mas isso pode afetar a sua fluência. “Se esse for o método usado, pode ter certeza de que ele não te leva ao patamar de bilíngue. Se o foco é aprender e aperfeiçoar outro idioma, sair da zona de conforto é o primeiro passo. Converse com os nativos, tente entender as placas, os cardápios, o principal é praticar!”, explica.

Receba as novidades sobre Saúde e Bem-estar, Astrologia, Beleza, Culinária e muito mais!

2. Ficar preso na sua cultura

A CEO da Eagle Intercâmbio Cultural explica que explorar a cultura de outros países é importante para troca de conhecimento, apesar de às vezes ficamos presos em nossa própria cultura. “Sabemos que uma das partes mais legais, e particularmente a minha favorita, é a troca de culturas. Na prática podemos ficar presos à nossa e deixar de experimentar situações incríveis da cultura local. Não economize atenção na hora de observar os detalhes e se jogue nessa rica troca de conhecimento.”, alerta a especialista.

Amigos sentados em escada tirando foto
Fazer amizades ao redor do mundo enriquece o idioma (Imagem: Adobe Stock)

3. Fazer amizades apenas com pessoas do seu país

Um dos erros mais frequentes, segundo Arleth Bandera, é o intercambista, que ainda não domina o idioma local, fazer amizades apenas com pessoas do seu próprio país. “Esse é um grande erro! Busque fazer amizades de todos os cantos do mundo, o maior mix de nacionalidades que você conseguir. Assim, além de aprender ou aperfeiçoar o idioma que está estudando, você pode aprender outros e a troca de conhecimento e cultura será muito mais gratificante.”, comenta.

4. Visitar apenas lugares turísticos

Conforme explica Arleth Bandera, buscar visitar lugares em que os nativos do país costumam frequentar é importante para você conhecer a cidade e aprimorar o seu idioma. “Converse com a população local e descubra os lugares que eles frequentam, procure pequenos bares, restaurantes caseiros, comércios independentes, pontos fotográficos que nem todo mundo tem no Instagram e por aí em diante. É claro que visitar os pontos turísticos faz parte de toda viagem, mas quando se trata de um intercâmbio, no qual você tem mais tempo para conhecer a cidade, não se apegue apenas a isso.”, diz.

5. Deixar as coisas para depois

Deixar as coisas para depois é um erro comum que os intercambistas costumam cometer, por isso, a CEO ressalta que é importante ter em mente o imediatismo. “Um erro que também é super comum entre os intercambistas é muita das vezes deixar as coisas para depois, achando que retornará naquele local. Quando se está viajando, conhecendo um lugar novo, tenha sempre em mente o espírito do ‘aqui e agora’. Quer entrar naquele lugar? Entre. Quer comer aquela comida? Coma. Quer comprar aquele objeto? Compre”, conclui Arleth Bandera.

Por Luana Farias 

Redação EdiCase

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.