Conheça os primeiros acontecimentos da Idade Contemporânea

Conheça os primeiros acontecimentos da Idade Contemporânea
A Revolução Francesa é um marco do início da Idade Contemporânea (Imagem: Shutterstock)

A Idade Contemporânea é o atual período da nossa história. Ela iniciou em 1789, com a Revolução Francesa, e já se entende por mais de 230 anos. Ao longo desse tempo, muitos acontecimentos se desenrolaram em diversas partes do mundo. A seguir, vamos revisar os primeiros deles:

Napoleão

Com a indicação dos burgueses, a França foi governada por Napoleão em três fases:

Consulado (1799 a 1804)

Nessa fase, Napoleão Bonaparte derrubou o diretório que o elegeu, criou o Banco da França, censurou a imprensa, estreitou relações com a Igreja Católica e instituiu o Código Civil Napoleônico, no qual havia direitos de casamento civil, liberdade individual e igualdade perante a lei. Contudo, Napoleão proibiu greves e paralisações sindicais.

Receba as novidades sobre Saúde e Bem-estar, Astrologia, Beleza, Culinária e muito mais!

Império (1804 a 1815)

Nessa segunda fase, Napoleão se tornou imperador da França, conquistou grande parte da Europa e levantou monumentos de exaltação, como o Arco do Triunfo. Quando invadiu a Inglaterra, em 1805, foi derrotado pela Marinha Superior e, então, decretou o Bloqueio Continental, que ordenava que todos os países fechassem seus portos para os produtos industriais ingleses. Portugal desobedeceu ao bloqueio e, temendo ser atacado, o rei D. João VI e sua família fugiram para o Brasil.

A Rússia também desobedeceu ao bloqueio e foi invadida pela França em 1812. Entretanto, com o forte inverno e a estratégia de terra arrasada (sem água e mantimentos), o exército napoleônico foi derrotado. Este e alguns outros eventos levaram Napoleão, em 1814, a abdicar ao trono e, em seguida, ser exilado na ilha de Elba, na Itália.

Governo dos 100 dias (1815)

Nessa última fase, Napoleão Bonaparte retomou o poder após fugir do exílio. Contudo, após 100 dias de governo, o imperador foi derrotado na Batalha de Waterloo (ingleses e prussianos).

Congresso de Viena

Após a derrota napoleônica, ocorreu o Congresso de Viena (Áustria, 1815). Nele, decidiu-se que os territórios conquistados pela França seriam devolvidos às suas respectivas monarquias. Além disso, o congresso também decretou que tais monarquias deveriam se unir para criar o exército da Santa Aliança, que tinha como objetivo impedir manifestações contra o antigo regime.

Close de um mapa com diversos países
Os países da América Espanhola conquistaram a independência no início do século XIX (Imagem: Shutterstock)

Independência da América Espanhola

Desde a colonização, as práticas de exploração faziam surgir ideias de independência política (junto ao Iluminismo). Os criollos (filhos de espanhóis nascidos na América) eram uma elite que tinha esse ideal de Revolução Francesa para assumir o governo.

Com o passar dos anos e de diversas lutas, no início do século XIX, os países da América Espanhola conseguiram conquistar a independência. Porém, esse processo ocorreu de formas diferentes em cada nação.

Características de cada independência

No México (antiga Nova Espanha), em 1821, a independência veio pelo criollo Agustín de Iturbide, que defendia os direitos da elite burguesa. Na América Central, as colônias seguiram o exemplo mexicano e, com isso, a Confederação das Províncias Unidas da América foi desmembrada em 1838.

Faziam parte dessa confederação: Nicarágua, Guatemala, Honduras, El Salvador e Costa Rica. Na América do Sul, a independência ocorreu por meio dos movimentos revolucionários de San Martín e Simón Bolívar. San Martín participou da emancipação do Chile, do Peru e da Argentina. Por sua vez, Simón Bolívar contribuiu para a independência da Colômbia, da Venezuela e do Equador.

Imperialismo

O Imperialismo, também conhecido como Neocolonialismo, foi um movimento de expansão territorial, cultural e econômico das nações europeias a partir do século XIX. Estimuladas pela busca de matérias-primas para abastecer as indústrias após a Revolução Francesa, além de novos consumidores e mão de obra barata, as potências (Inglaterra, França, Bélgica, Alemanha, Itália, Rússia e Japão) recorreram à exploração da África e da Ásia.

O Imperialismo ou o Neocolonialismo, por meio da Missão Civilizadora, tirava inúmeras vantagens econômicas dos países mais pobres, principalmente os da África. As disputas pelos territórios africanos foram um dos motivos para o início da 1ª Guerra Mundial.

Por Tao Consult

Redação EdiCase

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.