10 dicas essenciais para uma cozinha funcional

10 dicas essenciais para uma cozinha funcional
Cozinha funcional facilita o dia a dia dos moradores (Imagem: Gabbavisuals | Projeto Escritório Gigi Gorenstein)

A decoração da cozinha vai além da função estética. Com a combinação correta de elementos é possível criar um ambiente que oferece praticidade para o preparo das refeições e, ao mesmo tempo, acolhe familiares e amigos. A seguir, confira 10 dicas de como projetar esse espaço que é o coração da casa.

1. Utilize gavetas

A marcenaria planejada é uma aliada e tanto dos projetos, sejam eles grandes ou compactados. Na formatação, a arquiteta sugere investir no conjunto de gavetas e gavetões no espaço comumente utilizado para armários. Principalmente embaixo de pias e balcões, elas oferecem mais facilidade, organização e ergonomia na retirada de itens como panelas, tampas e potes.

“Essa concepção é interesse, pois interfere na ergonomia das pessoas, que não precisam se abaixar para acessar no fundo”, destaca a arquiteta Gigi, responsável pelo escritório que leva seu nome. Na missão de otimizar as gavetas e gavetões, peças organizadoras otimizam e liberam mais espaço. “Um cantinho a mais para guardar uma panela nova é sempre muito bem-vindo”, argumenta a arquiteta.

Receba as novidades sobre Saúde e Bem-estar, Astrologia, Beleza, Culinária e muito mais!

2. Invista em objetos práticos

Existe uma variedade de utensílios que reúnem charme e personalidade, mas nem sempre eles são eficazes no que diz respeito à boa utilização do espaço. De acordo com a arquiteta, o caminho é sempre buscar itens fabricados com materiais de qualidade e que dialoguem com o estilo do décor proposto para a cozinha.

Quanto aos eletrodomésticos, ela reforça a importância de definir a seleção antes da execução da marcenaria. “Pensando em uma execução planejada e sob medida, eles não podem ser definidos depois. Essa combinação nos permite executar uma cozinha de excelência”, enfatiza Gigi.

3. Tenha cuidado com a iluminação

Para Gigi, é muito importante trabalhar dois tipos de iluminação na cozinha. A luz geral, em uma tonalidade branca com temperatura entre 3000K e 4000K, pode ser considerada para abranger todo o ambiente.

Além disso, ela reforça a relevância de nunca desconsiderar focos de iluminação pontual, como o fogão, a ilha, a bancada ou a mesa da copa. “Nessas situações, recursos como trilhos de luz fixados no teto, pendentes e fitas de LED embutidas são bastante versáteis e respondem bem em diversas situações”, afirma a profissional.

4. Aproveite a regra de triângulo

Uma das melhores configurações de cozinha é feita a partir da regra do triângulo, com pontas que englobam a geladeira, a pia e o fogão. A execução desse layout facilita a mobilidade no espaço, pois o morador não precisa realizar um longo deslocamento entre as áreas e consegue preparar tudo com mais facilidade.

Cozinha com ilha no centro, janela de fundo, sofá e quadros na parede
Ilha permite a circulação e socialização das pessoas na cozinha (imagem: Alessadra Bomeny | Projeto Escritório Gigi Gorenstein)

5. Opte por uma ilha uniforme

A ilha se tornou o sonho de muitos moradores que admiram um estilo mais contemporâneo dos layouts de cozinha, principalmente aqueles que são abertos e integrados à área social. A arquiteta Gigi Gorenstein recomenda a uniformização das alturas, independentemente da finalidade de cada trecho.

“Muitas pessoas acham necessário determinados desníveis entre uma área e outra, mas sempre explico que esses dentes formados atrapalham a unidade visual, bem como a utilização no dia a dia. O ideal é que a ilha e a bancada sejam firmadas em uma mesma altura”, detalha a arquiteta.

6. Substitua frontões por baguetes

Para quem investe em revestimentos que valorizam a parede da pia, uma boa alternativa para substituir o frontão costuma ser os baguetes, visando um maior destaque para o revestimento escolhido. Os frontões costumam ser altos, cerca de 10 a 30 cm, e chegam a roubar detalhes da cozinha.

7. Recorra a revestimentos resistentes

A cozinha funcional deve ser executada com acabamentos resistentes, evitando futuras reformas. Por exemplo, em seus projetos, Gigi Gorenstein prioriza o acabamento da marcenaria com melamina, em detrimento à laca e outros tipos de pintura que são revestimentos mais fáceis de sofrer algum dano após uma batida ou algo do tipo. Para bancadas, a preferência é usar quartzo e seus derivados, evitando pedras naturais que mancham com mais facilidade.

8. Vantagens das prateleiras

As prateleiras são ótimas para dar um toque de estilo à cozinha ou para quem não quer gastar muito com armários. Nelas é possível organizar itens e utensílios e inserir elementos decorativos para dar um toque a mais ao espaço.

“Se for o modelo de metal fino, proporciona muita elegância ao ambiente. Há também as opções com nichos, que auxiliam na decoração e na funcionalidade que a cozinha deve oferecer aos moradores”, conta a designer de interiores Norah Carneiro, à frente do escritório que leva o seu nome.

9. Elementos decorativos

Os elementos decorativos ajudam a tornar o ambiente mais bonito e, ao mesmo tempo, funcional. “Os principais elementos da cozinha são as luminárias, as arandelas, as calhas de serviços perto das cubas e os acessórios de metal próximos à coifa (para inserir alguns itens decorativos), tais como plantas ou, até mesmo, pendurar colheres e panelas, no estilo cozinha italiana ou casa de campo”, lista Norah Carneiro.

10. Plantas na cozinha

As plantas são bastante versáteis. Elas podem ser utilizadas em qualquer ambiente, inclusive, na cozinha. No entanto, é preciso se atentar às características do local para, então, escolher a espécie ideal. “O cozinhar tornou-se hábito e ter a possibilidade de possuir alimentos frescos da própria horta é uma sensação, sem dúvida, muito prazerosa”, acrescenta Norah Carneiro.

Por Emilie Guimarães e Laleska Diniz

Redação EdiCase

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.