Diabetes tipo 2: causas, sintomas e tratamento

Diabetes tipo 2: causas, sintomas e tratamento

Veja como manter a doença sob controle e ter uma vida normal

O diabetes tipo 2 desenvolve-se quando o corpo produz insulina, mas ela é insuficiente para as necessidades daquela pessoa. De acordo com a endocrinologista Jamilly Drago, esse tipo representa grande parte dos casos da doença e ocorre geralmente em pessoas obesas com mais de 40 anos de idade, mas pode afetar também adultos mais jovens e até crianças.

Quais são os sintomas do diabetes tipo 2?

Por ser uma doença silenciosa, o paciente pode passar anos sem descobri-la. “Eventualmente, quando o diabetes está muito descompensado, podem surgir os sintomas: excesso de urina (poliúria), fome exagerada (polifagia), sede exagerada (polidipsia) e perda de peso”, explica Lorena Lima, endocrinologista do Amato – Instituto de Medicina Avançada.

Grupos de riscos

De acordo com Lorena Lima, os pacientes que possuem risco de desenvolver o diabetes tipo 2 são aqueles que estão acima do peso, têm a doença no histórico familiar, possui antecedente pessoal de diabetes gestacional, indivíduos sedentários e com maus hábitos alimentares.

Riscos do diabetes tipo 2

O diabetes exige disciplina do paciente para controlá-lo. “Se não for tratado de forma adequada, podem surgir complicações, como retinopatia (podendo levar à cegueira), nefropatia (podendo levar à necessidade de hemodiálise), neuropatia (dores crônicas nos pés como queimação e pontadas), pé diabético, infarto do miocárdio, acidente vascular cerebral, entre outros”, alerta a endocrinologista.

Como prevenir o diabetes?

Como não há sintomas, é importante realizar exames para detectar a doença precocemente e prevenir complicações. “Muitos casos de diabetes tipo 2 podem ser evitados mantendo o peso dentro dos valores normais, tendo hábitos alimentares saudáveis e praticando atividades físicas regularmente”, recomenda a endocrinologista Lorena Lima.

Tratamento para o diabetes tipo 2

O tratamento do diabetes tipo 2 inclui uma vida saudável com exercícios físicos e dieta equilibrada. Além disso, também há medicamentos que podem ser recomendados pelo médico. “No entanto, eventualmente o diabetes tipo 2 pode ter grande dificuldade de controle da glicemia, necessitando do uso de insulina”, alerta Lorena Lima.

Cuidados permanentes e acompanhamento médico

Os cuidados com a doença devem ser constantes e o paciente deve sempre seguir a orientação médica. Não existe cura para o diabetes, mas pode-se alcançar o controle e a pessoa voltar a ter níveis normais de açúcar no sangue. Contudo, isso não significa que a doença foi extinta.

Matilde Freitas

Jornalista, geminiana e vegetariana. Possui mais de 8 anos de experiência no mercado editorial. Além de produzir diversos conteúdos para EdiCase Publicações e Portal EdiCase, escreve para revistas e sites ligados ao veganismo e ao empoderamento feminino.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *