Veja como melhorar sua comunicação em apresentações

Veja como melhorar sua comunicação em apresentações
Melhore sua habilidade de se comunicar

Dicas práticas para combater o nervosismo de falar em público e garantir que você seja entendido  

As pernas ficam fracas, o corpo todo treme, gotas de suor escorrem pelo rosto, o frio na barriga parece incontrolável. Quem nunca sentiu esses sintomas quando estava prestes a fazer uma grande apresentação, palestra ou discurso?

É muito comum ter medo de falar em público, mas com uma boa prática e conhecendo muito bem o assunto, esse medo pode ir embora rapidinho. Um friozinho na barriga pode até surgir na hora, mas nada que atrapalhe sua concentração e desempenho.

Planeje a sua apresentação

A principal causa do medo e desconforto na hora de falar em público é não saber organizar o pensamento ou estruturar as ideias. Por isso, planejar com antecedência, elaborar um roteiro e treinar são boas formas para se sentir mais seguro quando for se apresentar.

“Roteiros sempre são muito importantes. Dependendo do tamanho da sua fala, ele pode ser simplesmente uma lista com tópicos importantes na sequência que você decidiu para a palestra”, afirma Fernando Duarte, coach organizacional e diretor executivo da Hightouch, Interação e Aprendizagem.

Faça lembretes

Se você quiser ter mais informações em mãos, não apenas um roteiro, Fernando Duarte sugere que prepare cartões do tamanho de meia página A4 e coloque em cada um deles as informações de um momento importante da sua apresentação.

“É fundamental enumerar os cartões na sequência, pois é muito comum misturar os cartões durante a revisão final do conteúdo, antes da palestra”, alerta o diretor executivo da Hightouch, Interação e Aprendizagem.

Linguagem e conteúdo

Enquanto você estiver preparando sua palestra, é muito importante saber bem quem será seu público, assim você pode adaptar a linguagem e o conteúdo conforme as características dele. Por exemplo, se for fazer uma apresentação para especialistas que já têm um conhecimento sobre o assunto, você deve buscar outras informações que causem maior interesse.

A linguagem também pode ser diferente conforme o público. “Hoje em dia, cada vez mais, o tom informal tem ganhado espaço em quase todos os eventos empresariais/profissionais, com exceção dos compromissos acadêmicos, médicos ou jurídicos. Em eventos com público com esse perfil, o tom formal ainda é praticamente o único adequado”, aconselha Fernando Duarte.

Prepare-se para falar em público
Discurso racional e emotivo

“Entender o que seu público espera é fundamental, inclusive, para surpreendê-lo. Os melhores discursos usam argumentos, mas em nenhum momento excluem a emoção. Administrar a balança entre um discurso racional e emotivo cabe em qualquer público”, complementa Augusto Uchôa, professor de oratória na Casa do Saber e sócio-diretor da Zero 21 Treinamento.

Fernando Duarte acrescenta ainda que adequar o discurso ao público é fundamental para criar empatia e ganhar a atenção dele. Ele também lista algumas formas para conseguir um melhor resultado:

  • Palavras adequadas ao público;
  • Personagens adequados como referência/ metáforas didáticas para sua mensagem;
  • Descontração adequada: algumas boas piadas caem bem em determinados círculos;
  • Postura é fundamental: cumprimentos protocolares iniciais podem ser mais simples ou solenes;
  • Tempo, ritmo e dinâmica da apresentação: varia muito com o tipo de público.
Cuidado com os gestos

Na hora da palestra, muitas vezes acabamos nos sentindo inseguros em relação aos gestos, nos mexemos demais ou ficamos muito parados, entediando a plateia. De acordo com Augusto Uchôa, não existe uma receita de bolo, mas entender que o gestual responderá sempre por mais comunicação/informação que qualquer palavra dita é o primeiro passo para o aprendizado da boa oratória.

“Não existe um formato único em relação ao uso da corporalidade nos discursos, depende especialmente de estilo”, reforça Fernando Duarte. Ele explica que o uso do movimento corporal serve para reforçar a mensagem e para dar dinâmica para o discurso ou palestra.

Sintonize gestos e fala

Ainda de acordo com Fernando Duarte, os gestos e movimentos têm que estar em sintonia com sua fala. “Imagine que um orador ao final de uma piada ao invés de estar rindo esteja triste… Será que as pessoas vão rir ou chorar da piada? Ou seja, se você está falando algo sério e que exige compenetração da plateia, você não pode estar correndo de um lado ao outro do palco nesse momento, correto?”, exemplifica.

O profissional acrescenta que um “bom orador sintoniza os gestos das mãos, movimentação no palco e expressão facial com cada momento de sua fala, eles são complementos para exposição adequada da mensagem”.

Preparando o discurso

As principais recomendações do especialista Augusto Uchôa na hora de preparar o discurso é ser claro, objetivo e conciso. Fernando Duarte lista outras dicas:

  • Para organizar um discurso você deve saber qual seu objetivo com ele.
  • Depois precisa definir a introdução, desenvolvimento e conclusão.
  • Após isso, deve roteirizar a atividade em tópicos principais.
  • O próximo passo é fazer os cartões de apoio: colocar tópicos principais com os recursos que serão utilizados para reforçar, ou explicar melhor aquele ponto da palestra.
  • Criar a apresentação em PowerPoint também pode ser uma saída.
Errei, o que eu faço?

Tudo depende do erro e do público. Cada situação exige um tipo de saída. “Caso você esteja falando para especialistas e sua falha for a respeito de algo técnico e de conhecimento geral da plateia, assuma imediatamente que se equivocou e corrija a informação no ato”, enfatiza Fernando Duarte.

Erros são comuns, todos erram e assumir a “pisada na bola” e corrigir imediatamente é a única forma de não afetar a credibilidade. “Se você for do tipo de pessoa engraçada, cabe fazer, inclusive, uma brincadeira a respeito do erro, e isso acabará por descontrair a plateia”, sugere.

Erro leve

Segundo Duarte, se o erro for algo simples, relacionado ao seu planejamento, como a ordem da palestra ou uma informação que você gostaria de ter falado antes e se esqueceu, por exemplo, não é necessário corrigir ou revelar, mas apenas citar a parte ‘esquecida’ quando se lembrar ou na hora das perguntas e respostas. “Se for importante, alguém perguntará algo relacionado e você poderá colocar, nesse momento, essa informação”, aconselha.

Um bom planejamento da apresentação é capaz de reduzir muito a sensação de medo e preocupação. Claro que é comum cometer alguns deslizes, mas o importante é agir naturalmente e não se desconcentrar. Quanto mais apresentações você fizer, mais seguro ficará em cada uma delas. A prática é a melhor forma de treinar.

Confira na revista ‘Sim, Você Pode‘ outras dicas para alavancar a sua carreira.

Redação EdiCase

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *