Entenda o que é artrose e como tratá-la

Entenda o que é artrose e como tratá-la

Saiba também como prevenir e conheça os sintomas e fatores de risco

A artrose é caracterizada pelo desgaste e degeneração da cartilagem articular. Segundo Tatiana Molinas Hasegawa, médica reumatologista do Centro de Qualidade de Vida, ela acontece não só pela idade, mas pelo excesso do uso da articulação e sobrecarga articular. Além disso, pode cometer jovens e ter um componente hereditário.

Quais os sintomas da artrose?

A dor nas articulações é o principal sintoma da artrose. “Pode haver inchaço, que é o edema, rigidez e dificuldade de movimentação, podendo levar até à invalidez, dependendo do grau desse acometimento”, analisa a médica.

Também pode ocorrer atrofia perto da musculatura ao redor da articulação atingida. “O paciente sente que as juntas crescem, deformam, como se estivesse crescendo um osso ao redor da articulação, é o que acontece pelo desgaste articular”, complementa.

Causas da doença

As causas normalmente estão relacionadas à sobrecarga da articulação. “Embora esse seja o evento mais importante, devemos considerar fatores genéticos, como a história familiar, válida de forma muito significativa para a artrose de mãos, por exemplo”, afirma Ingrid Moss, médica da Sociedade de Reumatologia do Rio de Janeiro.

Segundo a médica, também há as causas secundárias, como traumatismos prévios, doenças sistêmicas que causam inflamação articular, como a artrite reumatoide, ou assimetria de membros. “A artrose é uma doença multifatorial”, explica Ingrid Moss.

Fatores de risco

Qualquer pessoa pode desenvolver artrose, mas existem alguns fatores que podem influenciar. Segundo a reumatologista Tatiana Hasegawa, pessoas jovens podem ter artrose de mãos, pois já nascem com essa tendência pela genética; as pessoas que estão acima do peso, usam muito a articulação e podem desenvolver esse problema e as pessoas de mais idade, pois já têm mais uso das articulações, principalmente dos pés, joelhos, quadril e coluna.

Como prevenir a artrose?

Se a pessoa já nasce com problemas na cartilagem, ou seja, se a artrose é hereditária, não é possível prevenir, mas cuidar para evitar que o quadro se agrave. “Diferentemente da artrite reumatoide, a artrose tem uma maior chance de prevenção, por meio do controle precoce dos fatores de riscos mecânicos que favorecem o seu aparecimento, como evitar a obesidade, praticar exercícios físicos regulares sob supervisão e de forma correta e evitar posturas inadequadas, tanto no trabalho quanto nas demais atividades diárias”, aconselha a reumatologista Ingrid Moss.

Tratamento da artrose

Apesar de não ser uma doença de origem autoimune, pois a pessoa vai adquirindo com o passar do tempo, ela não tem cura. “A artrose é uma doença crônica que tem um curso muito variável de evolução, mas não podemos falar em cura do processo de degeneração articular”, analisa a médica da Sociedade de Reumatologia do Rio de Janeiro. Não tem cura, mas tem controle.

Tratamento complementar

O tratamento é feito com medicamentos, como analgésico, anti-inflamatório, cartilagem e colágeno, e com tratamento complementar como fisioterapia. “ O tratamento compreende principalmente a estabilização da articulação envolvida com o controle dos fatores mecânicos de sobrecarga, como a redução de peso, a correção da postura no trabalho e o fortalecimento muscular por meio de fisioterapia e exercícios específicos”, explica Ingrid Moss.

Tratamento complementar

Existem tratamentos complementares que podem ajudar. “O pilates, a academia terapêutica, que é musculação dirigida para pacientes com problemas de artrose e de desgaste”, destaca a reumatologista Tatiana Molinas Hasegawa. Segundo ela, essas terapias visam alongar, fortalecer e melhorar o movimento da articulação atingida, para não deixar atrofiar mais.

Matilde Freitas

Jornalista, geminiana e vegetariana. Possui mais de 8 anos de experiência no mercado editorial. Além de produzir diversos conteúdos para EdiCase Publicações e Portal EdiCase, escreve para revistas e sites ligados ao veganismo e ao empoderamento feminino.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *