Síndrome de Guyon: entenda por que ocorre a dormência nas mãos de ciclistas

Síndrome de Guyon: entenda por que ocorre a dormência nas mãos de ciclistas
Síndrome de Guyon provoca dormência nas mãos (Imagem: Shutterstock)

A Síndrome de Guyon consiste em um quadro de dormência nas mãos que costuma aparecer em ciclistas por conta do longo tempo que passam com as mãos apoiadas no guidão, colocando parte da pressão e peso do próprio corpo ali – o que causa um efeito de hiperpressão sobre a região chamada de hipotenar, onde está localizado o nervo ulnar.

Então, o nervo ulnar acaba sendo comprimido para dentro do canal de Guyon, provocando a lesão e os sintomas. A paralisia do ciclista, porém, pode ainda ser causada por outros fatores externos, como traumas, tumores, entre outros.

Tratamentos para a síndrome

A dormência nas mãos precisa de tratamento sempre que atinge a fase crônica, ou seja, quando os sintomas persistem mesmo com repouso ou aparecem com certa frequência. O tratamento costuma ser feito com o uso de medicamentos anti-inflamatórios e pode ser necessário o uso de tala além de sessões de fisioterapia para recuperação dos movimentos das mãos e retorno às atividades esportivas. Além disso, é imprescindível que o paciente passe a ter alguns cuidados a fim de evitar que a paralisia retome.

Receba as novidades sobre Saúde e Bem-estar, Astrologia, Beleza, Culinária e muito mais!

Ciclista com roupa preta, capacete preto e óculos de sol vermelho andando de bicicleta
Alternar a posição das mãos no guidão ajuda a evitar a síndrome (Imagem: Shutterstock)

Formas de prevenir a condição

Existem algumas maneiras de prevenir a hiperpressão na região hipotenar e evitar os sintomas da dormência nas mãos na hora de pedalar. Vale, por exemplo, tentar alternar a posição das mãos no guidão e utilizar luvas com proteção acolchoada, além de procurar sempre utilizar bicicletas do tamanho certo e com os ajustes apropriados para a altura, habilidade e estrutura do ciclista. É importante lembrar ainda da necessidade de alongar as mãos e braços, esticando os punhos, dedos e agitando as mãos, tanto antes quanto depois do exercício.

Texto originalmente publicado na Revista Bicicleta (Edição 127)

Por Gisele Gasparotto

Ciclista, fundadora e responsável pela metodologia e treinos da LuluFive (principal marca, do Brasil, que atua com o ciclismo feminino).

Redação EdiCase

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.