Entenda os perigos do vício em jogos

Entenda os perigos do vício em jogos

Problema pode ser prejudicial para a saúde e vida social

Difícil encontrar alguém que nunca tenha tentado a sorte em uma mega-sena acumulada, mesmo sabendo que é mais fácil ser atingido por um raio que acertar os seis “números da sorte”.

Perigos do vício em jogos

Por não ser muito divulgado, este tipo de vício não tem a devida atenção que merece, mas é uma doença e pode destruir vidas e famílias. “Tudo pode começar como uma simples diversão, mas, à medida que a frequência com que joga e o tempo aumentam, passa a ser um desafio e/ou uma busca pela conquista do prazer, que é sempre momentâneo e que o faz arriscar mais e mais nas tentativas em ganhar”, analisa a psicóloga Bartira Mendes.

Segundo ela, esse ganho “pode estar relacionado às dificuldades de conquistas reais, de como ele se vê na sociedade, no trabalho, nos estudos e na vida amorosa. Resumindo, o vício por jogar é um processo lento, imperceptível e difícil de assumir”.

Quem é o alvo

Engana-se quem acredita que o vício por jogo pode atingir apenas adultos. Há diversos tipos de jogos, desde os jogos de azar até os eletrônicos, que podem roubar a infância das crianças, a juventude de adolescentes, a família de adultos e a paz dos idosos.

“O jogador viciado traz a obstinação e a perseverança. Não aceita perder e afirma jogar para se divertir. Apesar das graves consequências, como separação conjugal, demissão, perdas econômicas e assim por diante. O jogador tem muita dificuldade em controlar o impulso de jogar, em admitir a existência do problema e de pedir ajuda”, alerta Bartira Mendes.

Nem tão sortudos assim

A pessoa viciada sempre acredita naqueles 5 minutos de sorte, que uma jogada vai mudar a vida. “O que se observa é que, o viciado apresenta um processo repetitivo e frequente, que de alguma forma controla sua vida, levando a uma disfunção e afastamento social, ocupacional e dos valores familiares”, alerta a psicóloga.

De acordo com a profissional, de uma forma geral, “são sujeitos que apresentam uma oscilação de humor, e algumas vezes reagem insensíveis aos acontecimentos de tragédias ou de alegria daquele que está ao seu redor. Eles criam uma sensação e atração específica de um mundo próprio, com seus sonhos e poderes, em busca de uma aparente tranquilidade e segurança”.

Mesmo efeito que as drogas

O jogador pode utilizar o jogo como uma válvula de escape para fugir da vida real, por não se sentir como parte de um contexto social e cultural que o leva a acreditar não ser amado ou respeitado. O problema é que o jogo pode se tornar uma espécie de droga.

“Pesquisas científicas consideram que, levando em conta que o vício é uma desordem química no cérebro e que hábitos e comportamentos aumentam a produção de dopamina e diminuem o nível de norepinefrina (hormônios neurotransmissores), a única maneira de manter o nível desses hormônios, é jogando mais tempo e com mais frequência”, explica Bartira Mendes.

Ela acrescenta que “dessa forma, o jogador pode sim ser comparado aos dependentes químicos, como o álcool, o crack e a cocaína. Jogar ativaria os circuitos cerebrais que provocam um prazer semelhante ao das drogas”.

Perda do controle

O jogo se torna perigoso quando a pessoa perde o controle. “Este vício, quando não percebido, ignorado e não assumido pelo jogador, coloca em risco a própria vida. Ou seja, com a perda do controle de suas ações e reações, o que fica é uma insatisfação, que pode levá-lo à morte”, alerta Bartira Mendes.

Sinais do vício

Os sinais que a pessoa precisa de ajuda podem ser visíveis. “Como desidratação e desnutrição por substituírem alimentação por jogos; psíquicos como insônia e coração disparado na falta dos jogos por algum impedimento; familiar de não conseguir atender necessidade afetivas da família por substituição da convivência e troca afetiva pelo uso de jogos e até criminal quando na falta de recursos recorre ao crime para adquirir o dinheiro”, lista a psicóloga.

Busque ajuda

A melhor forma de prevenir esse tipo de vício é ficar longe dos jogos, principalmente se você sente que tem uma certa tendência a qualquer tipo de vício. Se já sente que o vício se instalou, a melhor forma é buscar a ajuda de profissionais de saúde, instituições como JA (jogadores anônimos) e o apoio da família.

Confira na revista ‘Saúde da Mente’ outros conteúdos sobre cuidados com a saúde mental.

Matilde Freitas

Jornalista, geminiana e vegetariana. Possui mais de 8 anos de experiência no mercado editorial. Além de produzir diversos conteúdos para EdiCase Publicações e Portal EdiCase, escreve para revistas e sites ligados ao veganismo e ao empoderamento feminino.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *