Estresse crônico na infância: veja como identificar e combater

Estresse crônico na infância: veja como identificar e combater
Estresse atinge tanto adultos quanto crianças

Problema também pode atingir e ser prejudicial para as crianças

Apesar de ser mais associado a adultos, o estresse é uma reação do organismo que acontece em todas as idades. Todo ser vivo, em todas as fases da vida, está sujeito ao estresse.

Estresse para reagir a agressões externas

Segundo o Dr. Sylvio Renan Monteiro de Barros, da clínica MBA Pediatria, o estresse é vital para a manutenção de nossas vidas. Ou seja, as crianças também o sofrem regularmente, pois ele é uma ferramenta que, através de reações químicas provocadas em nosso organismo, dá-nos condições para reagir a agressões externas.

Limite entre o estresse saudável e prejudicial

Entretanto, existe um limite entre o estresse saudável e o prejudicial. “O grande problema é quando o ser humano se expõe cronicamente a uma situação de estresse, não conseguindo extravasar o excesso de substâncias estressantes que foram produzidas em seu organismo pelo efeito do estresse”, explica o pediatra.

Estresse envolvendo o momento do nascimento

De acordo com o Dr. Sylvio Renan Monteiro de Barros, o momento do parto é um dos momentos mais estressantes que o ser humano passa. “Ele migra de uma situação de conforto absoluto, protegido no interior do corpo materno, recebendo todos os ingredientes necessários para sua sobrevivência […], para uma situação extremamente desagradável e desconhecida, tendo que se preocupar em respirar, aquecer-se (ou resfriar-se), sugar, deglutir e digerir o alimento, entre outros afazeres”, descreve o especialista.

Excesso de obrigações

O excesso de obrigações diárias também pode oferecer consequências negativas para as crianças. “Uma das causas do estresse infantil é a sobrecarga crônica de trabalho, seja ele físico (esportes) ou psíquico (estudos). Assim, o excesso de trabalho físico e mental o transforma em um ‘miniexecutivo’, apresentando, após algum tempo, as manifestações da reação ao estresse”, explica o pediatra.

Reações e consequências do estresse crônico

O estresse crônico em crianças pode ter consequências leves, se identificado no início, ou mais graves, quando não tratado corretamente. Ele “irá levar a criança a reagir de várias formas, dependendo de suas características individuais. Umas se põe a chorar, e a apresentar comportamentos anômalos (birras, crises histéricas etc.)”, lista o Dr. Sylvio Renan Monteiro de Barros

Já outras crianças, conforme explica o pediatra, “se fecham em si mesmas, com comportamentos do tipo autistas, fugindo do relacionamento social normal. Entretanto, todas têm como consequência, mais cedo ou mais tarde, uma deficiência de imunidade, levando-as a adquirir vários processos inflamatórios e/ou infecciosos”.

Como identificar o estresse infantil

Para tratar o problema é preciso, primeiro, identificar que a criança está sofrendo de estresse crônico. De acordo com o Dr. Sylvio Renan Monteiro de Barros, isso pode ser feito observando atentamente a criança e percebendo uma mudança de comportamento social e uma maior incidência de infecções.

Como tratar o problema

Após a identificação do problema é importante fazer com que a criança pare de sentir as consequências do estresse. “O tratamento básico de tal situação é a retirada da causa. Assim como o melhor tratamento da alergia é a retirada da substância alergênica, no estresse devemos encontrar sua causa e retirá-la. No caso do excesso de atividades (seja física ou mental), deve-se discutir com a criança quais as que mais lhe desagradam e afastá-las”, ensina o pediatra.

Prevenindo o estresse crônico

Melhor do que tratar o estresse é prevenir que ele aconteça e isso, segundo o pediatra, depende do bom senso de cada um. “Assim como nós, adultos, procuramos nos proteger do excesso de trabalho. Mesmo de tarefas ditas lúdicas, as crianças merecem uma análise semelhante, visando prevenir o estresse infantil. Lembremo-nos sempre que qualquer radicalismo é prejudicial, seja para mais ou para menos”, finaliza o idealizador da clínica MBA pediatra.

Confira na revista Saúde da Mente outros conteúdos sobre cuidados com a mente.

Redação EdiCase

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *